domingo, 24 de fevereiro de 2013

A síndrome do design “inteligente”


Às vezes me pego pensante sobre o quanto de barreiras psicológicas que nos, os intelectos da terra, cultivamos. Imaginar a complexidade cerebral restrita em muita das vezes aos medos, costumes, regras dentre outros. É quase como se você tivesse o carro mais rápido do mundo e só andasse a 20 km/h por que tem medo de acelerar. Por não saber o potencial que tem em mãos.

Se olhar pra um desses celulares mais possantes, logo veremos que é difícil de imaginar a complexidade com que o aparelho funciona. Mas comparado ao cérebro humano ele não passa de sucata. Afinal foi o cérebro que o criou! Dessa forma é de se espantar com tamanha capacidade e complexidade de um cérebro humano em criar tal engenhosidade eletrônica.

Por outro lado algumas dessas brilhantes capacidades de raciocínio de um cérebro são simplesmente enjauladas por algum tipo de barreira psíquica. Que te impede de averiguar uma verdade ou uma simples curiosidade. Como por que o céu é azul e não vermelho?

Mas estes argumentos são muitos supérfluos por hora. Por que por mais que eu tente explicar, existem vários tipos e varias formas de barreiras psíquicas nos cérebros alheios. Que a meu ver, é fruto de um design que cada um carrega dentro de se. E justamente esse formato de design que vai filtrando e modulando a capacidade de raciocínio do cérebro de um individuo. Dessa forma atrofiando ideias e hipertrofiando regras.

O que posso te dizer é que: Design é papel, não desenho!

terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

A síndrome do sistema religioso


 Não vou te dar um presente. Mas posso te dar algo melhor, um pensamento! Será mesmo, que tudo o que te ensinaram, era o certo? Seriam seus mestres, realmente, donos das verdades? Olhe para janela e me diga o que você vê. Nada não é?

Deixe-me esclarecer melhor, formamos uma sociedade de regras e crenças das quais alegam serem certas. Fazemos parte de um sistema hierárquico, onde os “seres superiores” ditam as coordenadas. Você como um bom aprendiz crer da crença deles. O palco esta montado e você dança conforme a musica.

Algumas pessoas, infelizmente, não possuem uma sensibilidade de percepção para certas coisas e com isso não estão preparadas para serem desplugadas. Dessa forma elas torcem e se contorcem para proteger o sistema. O que ocorre muito com a religião.

A mente humana é extremamente suscetível para alucinações.  Dessa forma, esses rituais e adorações religiosas podem ter evoluído como subproduto de regras e leis hierárquicas. Afinal, essa bagaça toda só funciona por meios delas, e o pior somos dependentes delas. O que ai já entra no senso de moralidade. E se moralidade fosse um ponto forte da espécie humana, não teríamos regras, nem leis e muito menos um sistema dominante.

Seria a espécie humana tão podre assim, ao ponto de depender de religiões para se policiar? Olhe para Janela, o que vocês veem? Vocês estão procurando o segredo, mas não vão encontra-lo. Porque não estão realmente olhando. Vocês não querem realmente saber. Vocês querem ser, enganados!