domingo, 5 de agosto de 2012

A Síndrome da Religião


“Meus pais escolheram minha primeira escola. Primeiro porque eu nem sabia o que era escola e segundo por acharem que era a melhor para min. Passou um tempo e eu pedi pra mudar de escola. O motivo eu nunca soube, apenas queria conhecer outra. E assim mudei de escola.”

Para algumas pessoas, questionar a cultura que foi ensinada a ela quando criança, é a ultima coisa que se passa pela cabeça. Por que elas crescem com o consenso de que apenas um ponto de vista (o dos pais) que esta certo. E quando são colocadas de frente a uma ideia contraditória eficiente e começam a acreditar nelas, essas pessoas caem no “eu não sabia que podia”.

Se aplicarmos essa ideia no quesito religião, o que você vai ouvir é: religião não se discutiu.  Mas por que diabos não se discute? O que faz da religião um assunto indiscutível? Muito simples, tudo isso é resultado de uma pequena palavra; cultura!

Não vejo a religião como um ato de acreditar ou não em Deus. Apenas um costume de moldar suas ações. E alguns desses costumes são tão poderosos que algumas pessoas preferem morrer a quebrar alguma de suas regras. Como por exemplo: Um judeu vá preferir morrer de fome, na falta de alimento, do que consumir carne de porco para sobreviver. Costume esse que lhe custara à vida, se não parar pra pensar.

Se formos analisar, o conceito de religião é: um conjunto de sistemas e de crenças, alem de visões do mundo.Ou seja você herda a cultura na qual lhe foi imposta, mas você possui a capacidade de enxergar a visões que o mundo lhe proporciona. E nenhuma especie de "santidade" tem o direito de moldar o que você pode ou deve enxergar.

Os costumes religiosos não fazem de ninguém mais forte ou mais fraco. Eles apenas te moldam lhe proporcionando confiança. Acredito que todos vem ao mundo com propósitos, de alguma forma e não sei como, "pré-moldados" em sua cabeça. E que buscam na religião uma certa confiança de acreditar naquilo que murmuram em sua mente. Tornando a religião como um modelo a se seguir. Numa simbiose de "Fé" e "Coragem".Eu só acho que sabemos do que precisamos, mas só fugimos do que queremos.

Religião não necessariamente esta ligada na crença ou não de Deus. Tanto que se me perguntarem sobre Deus, eu vos digo: Sou um crente descrente que busco enxergar alem das verdade e costumes de uma cultura rigorosamente e fortemente manipuladora que é a religião. Buscando uma coerência entre o que é verdade e o que é real.

Vemos o mundo de diferentes ângulos, formas, cores e lugares. Mas não necessariamente você enxerga o vermelho do mesmo jeito que o meu. Certo?








2 comentários:

  1. "Eu só acho que sabemos do que precisamos, mas só fugimos do que queremos." E talvez todo o vermelho que eu veja ainda tenha a mesma tonalidade do questionamento cru que lhe corrói a mente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uma critica no minimo interessante,Sr. anonimo. Vc fala como se me conhecesse a fundo. É engraçado isso. Vejo que é habilidoso com as palavras e gostaria de ouvir um pouco mais sobre seus ideais. Esse seu "tom de vermelho" me parece familiar, embora essa minha "imagem familiar" que me vem a mente não consegue enxergar nenhum tipo de vermelho. Então conte-me sobre seus tons de vermelho!

      Excluir