sábado, 26 de maio de 2012

A verdade do Apego


 Apego, Afeto, Amor... Todo mundo pensa que não existe explicação pra essas coisas. Mas você já se perguntou qual o porquê de sentir afeto, apego por alguém?  É simples, o sistema de apego é desenvolvido em mamíferos porque seus jovens são imaturos. Ou seja, esse sistema de apego é ativado para poder manter o contato após o nascimento por meio de protestos como chorar, bater... Quando a mãe se separa e talz. É um comportamento involuntário do bebe que mostra insegurança e estimula a mãe a cuidar dele. Mas esse tipo de afeto é o que chamamos de cuidado parental, que por sinal, é o único amor verdadeiro.
Agora como se explica um tipo de afeto com uma “pessoa estranha”? Muitos dizem que não se explica esse apego, mas na verdade é tudo biologicamente programado. Quando uma pessoa se encontra insegura de suas ações, não sabe quais decisões tomar e talz, ela se senti desprotegida. E a partir do momento em que ela encontrar essa “zona de proteção” em outro individuo, é o que chamam por ai de amor! Como no bebe uma pessoa se encontra em um estado desprotegido e ao encontrar essa qualidade de proteção em outro ser, é onde nasce comportamento de afeto, apego ou amor. Chame do que quiser!
Se olharmos bem pra isso, o tal “eu te amo” não passa de um conforto pela “zona de proteção” que uma pessoa proporciona á outra. E quando isso não funciona mais, é o que dizem que o amor acabou. Mas na verdade o que acontece realmente é que essa pessoa que se encontrava desprotegida não consegue sentir a proteção do companheiro. E assim quebrando os laços, mudando o comportamento.
 Esse sentimento chamado amor só existe quando é parental. O resto é farsa! Esse outro afeto que eles confundem com amor, não passa de um comportamento parasita involuntário, onde um individuo se aproveita da “zona de proteção” do outro. Sugando tudo o que a conforta.
Vantagem disso tudo: A capacidade de aprender e se adaptar ao meio. Desvantagem: sermos emocionalmente vulneráveis. Eu já disse uma vez que, o gene programa a maquina para sobreviver e não para amar.  Aprenda uma coisa: Alguém será infeliz um dia. Aceite!
Você pode discordar achar idiota, e pensar o que quiser. No fundo tudo não passa de comportamento.  Esse “amor” não é o ópio da massa, mas sim o placebo dela.

Nenhum comentário:

Postar um comentário